Programa Na Mão Certa

Cinco anos de desafios – e conquistas!

Desde que foi criado, em 2006, o Programa Na Mão Certa conquistou a adesão de 725 empresas e entidades signatárias do Pacto Empresarial contra a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras. A maior parte das empresas (49,9%) é do segmento de transporte e logística – o foco do programa – e está concentrada nas regiões Sudeste e Sul do país. Os dados fazem parte do balanço dos últimos cinco anos apresentado por Rosana Junqueira, coordenadora do programa, na abertura do 4º Encontro Empresarial Na Mão Certa, que aconteceu no dia 6 de outubro de 2010, em São Paulo.

No início de sua apresentação sobre o histórico do Programa, além de destacar a importante parceria firmada com o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social e o apoio técnico da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Rosana lembrou a todos os presentes a missão do Programa Na Mão Certa até 2010: “inserir o tema na agenda dos principais agentes dos três setores, articulando-os para desenvolver e implementar ações de prevenção, enfrentamento e atendimento”. Daí a criação de três frentes de trabalho: Articulação, Educação e Prevenção e Proteção.

Articulação – Para disseminar informações sobre o enfrentamento da exploração sexual de crianças e adolescentes e mobilizar governos, empresas e entidades da sociedade civil organizada, foi criada em 2006 a revista Na Mão Certa, com tiragem de 10 mil exemplares. Em 2008, também foi cuidadosamente preparada e distribuída uma segunda edição da publicação, tendo como tema Mobilização. “Agora estamos trabalhando na captação de recursos para viabilizar a terceira edição da revista, que deve ser lançada em 2011”, conta Rosana.

A internet é outra importante ferramenta utilizada para divulgar as iniciativas e conquistas do programa. Com atualização constante, o site www.namaocerta.org.br já recebeu a visita de mais de 327 mil pessoas, alcançando quase 1 milhão de page views desde o seu lançamento, no final de 2006. Ao longo desses cinco anos, também foram enviados eletronicamente 72 boletins informativos para um mailing de cerca de 7 mil contatos.

Entre as atividades realizadas entre o final de 2006 e junho de 2010, destaca-se a cooperação técnica da Childhood Brasil por meio do Programa Na Mão Certa com o Departamento da Polícia Rodoviária Federal (DPRF) no desenvolvimento de novos critérios de mapeamento de pontos vulneráveis nas rodovias federais, além do envio de sugestões das empresas signatárias do Pacto Empresarial ao serviço de Ligue 100. Nesse período também foi desenvolvido e implementado o Comitê de Gestão Participativa.

No âmbito internacional, Rosana ressaltou a participação do Programa Na Mão Certa com oficina temática no III Congresso Mundial de Enfrentamento da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, realizado em 2008 no Rio de Janeiro. “Também fizemos pesquisa e levantamento de dados com caminhoneiros na Argentina para implantação de piloto de transferência de metodologia social para países na América do Sul, além de diagnóstico do cenário da exploração sexual de crianças e adolescentes naquele país.”

Atualmente, além de trabalhar no desenvolvimento da publicação do novo mapeamento dos pontos vulneráveis do DPRF, o Programa está realizando na região metropolitana de Campinas um piloto de mobilização empresarial regional com a participação direta das empresas signatárias. “Estamos trabalhando na implantação do Comitê de Gestão Participativa e na definição do plano de ação 2011/2015 e buscando o maior engajamento de setores estratégicos”, revela Rosana.

Educação – O segundo eixo do Programa Na Mão Certa tem como objetivo sensibilizar e formar os diferentes profissionais que atuam na cadeia de transporte e logística. Entre as realizações do Programa dentro do Projeto de Educação Continuada (PEC), Rosana destacou o desenvolvimento e a publicação da coleção de Guias Na Mão Certa para caminhoneiros. “Oito guias foram lançados entre 2007 e 2009, abordando temas como Direitos da Criança e do Adolescente, Saúde, Família, Segurança, Drogas e Álcool, Meio Ambiente e Direitos Humanos, além de três guias especiais.”

Em 2008, entrou em cena a ação teatral Dirigindo por um Brasil melhor e teve início a produção de s pots de rádio com mensagens sobre cidadania e o papel do caminhoneiro na proteção dos direitos da criança e do adolescente. Essa iniciativa contou com a parceria do radialista e jornalista Pedro Trucão, personalidade já conhecida dos caminhoneiros.

De novembro de 2006 a junho de 2010, foram realizados 23 workshops (13 regionais e 10 in company), totalizando a capacitação de 413 multiplicadores e 305 pontos focais. Também merece destaque o lançamento, em 2009, do filme O Brasil Na Mão Certa, um curta-metragem que serve de apoio aos agentes multiplicadores no processo de sensibilização dos caminhoneiros.

Entre as ações em andamento, estão a tabulação de questionários de porte pago e avaliações, o desenvolvimento de uma edição especial – o Guia do Agente de Proteção e a realização de uma nova pesquisa para atualizar os dados sobre o perfil do caminhoneiro brasileiro. “Nossa meta até o final de 2010 é ter 30% das empresas signatárias com pontos focais e multiplicadores capacitados, além de material educativo para caminhoneiros implantado”, diz Rosana.

Prevenção e proteção – Nos últimos cinco anos, o Programa Na Mão Certa desenvolveu campanhas de prevenção por meio das empresas signatárias e participou de encontros setoriais e temáticos de com o objetivo de pensar em ações de prevenção em áreas de risco junto às empresas. O Programa também aprofundou o conhecimento e a disseminação de informações sobre o Fundo da Infância e da Adolescência (FIA) e acompanhou os dados do serviço Ligue 100, acompanhando a evolução das denúncias pelos esforços de educação continuada realizados pelos caminhoneiros e empresas signatárias.

Uma pesquisa com crianças e adolescentes vítimas de exploração sexual, analisando riscos e vulnerabilidades, foi realizada em 2008 e apresentada em 2009. “Agora a ideia é transformar esses resultados em ações de prevenção e proteção, sempre visando à criação de políticas públicas”, explica Rosana. Uma campanha de prevenção para atingir os pontos vulneráveis nas estradas, em especial, postos de combustível e serviços derivados também está sendo planejada junto a empresas signatárias e parceiros estratégicos.

Rosana encerrou sua apresentação deixando uma mensagem aos presentes: “Um movimento com as características do Programa Na Mão Certa não se faz de forma isolada. O engajamento de todos vocês foi fundamental para criar o efeito multiplicador”.

  Leia também  

O que está mudando nas rodovias
Inspiração a ser usada
Ideias que viraram ações
Vulnerabilidade mapeada
O papel de cada um
Participação ativa

 

Voltar