Programa Na Mão Certa

Como transformar o Compromisso 1 em ações

Reinaldo Bulgarelli*

Compromisso 1 - Melhorar as condições de trabalho do caminhoneiro, incluir o tema nos treinamentos desse profissional e difundir as boas práticas.

Este é o primeiro compromisso para as empresas que aderiram ao Pacto Empresarial Contra a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas rodovias brasileiras. Não é sem motivo que é o primeiro compromisso porque o Programa tem profundo respeito por estes profissionais.

O caminhoneiro tem papel de destaque no Programa Na Mão Certa. Desde o início, foi por meio da visão destes profissionais que o Programa procurou entender o fenômeno da exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias brasileiras. Eles conhecem o problema, algumas vezes são até parte do problema e acreditamos que também parte da solução.

Portanto, o caminhoneiro é reconhecido no Programa como aliado, agente de proteção e de transformação social na medida em que for devidamente envolvido no movimento de respeito e promoção aos direitos de crianças e adolescentes.

Basta um entendimento simples sobre a economia brasileira para perceber a importância deste profissional. Basta também um contato rápido com os caminhoneiros para entender o quanto sua vida é marcada pelas estradas que eles percorrem, com aspectos negativos e positivos se juntando para produzir histórias das mais incríveis.

O Programa Na Mão Certa, ao colocar o problema de que alguns caminhoneiros exploram sexualmente crianças e adolescentes, também percebe que mais importante é mobilizar toda a categoria para este horizonte positivo do respeito e da promoção dos direitos da criança e do adolescente.

Esta mobilização pode enfrentar o problema da exploração sexual e, mais que isso, convidar todos os caminhoneiros para uma reflexão e práticas de tipo novo com todas as crianças e adolescentes sejam de sua família, da comunidade onde vivem ou da grande comunidade que se encontra nas rodovias por onde circulam.

Com este entendimento do papel do caminhoneiro, foi realizada uma pesquisa para conhecer melhor seu perfil e sua realidade. O trabalho resultou em algumas descobertas sobre a visão do caminhoneiro que devem ser contempladas no planejamento da comunicação e do relacionamento com os mesmos.

Como pontos críticos, foram levantados os seguintes: enfrentam grandes dificuldades com violência, insegurança, más condições das estradas e dos pontos de parada, entre outros; possuem uma visão sobre o papel da mulher que favorece riscos de exploração sexual, dentro de uma cultura muitas vezes machista de que o homem tem a "propriedade" do corpo da mulher; enfrentam muita solidão com as longas distâncias e muitos dias longe de casa; enfrentam os problemas oriundos da nossa desigualdade social e econômica; desconhecem os direitos das crianças e dos adolescentes e essa cultura de respeito e consideração pelas diferentes fases da vida, seja ela vivida em condições adequadas ou não; não se sentem reconhecidos e valorizados em sua profissão, dadas as condições de trabalho e a reputação que sua atividade acaba tendo na sociedade.

Como valores, foram apontados os seguintes: possuem forte relação com a profissão, que marca sua identidade; são batalhadores; possuem forte relação com a família, mulher e filhos; são solidários com os colegas na estrada; o caminhão tem uma grande importância para eles por ser sua casa durante suas viagens.

Qualquer ação com os caminhoneiros, assim, deve considerar estes aspectos, entre outros percebidos nas empresas que lidam cotidianamente com estes profissionais.

O mais importante é assumir que o fato de alguns caminheiros estarem envolvidos com práticas de violação de direitos humanos de crianças e adolescentes não pode servir para destruir a reputação de toda uma categoria.

A mobilização para que atuem a favor destes direitos, oferecendo possibilidades, canais de atuação, ferramentas para promover os princípios e práticas sugeridos no Programa, pode contribuir para essa percepção de que estão "na mão certa".

Isto, sem dúvida alguma, é fator que eleva sua auto-estima diante das próprias empresas para as quais trabalham e diante de toda a sociedade brasileira, visando um maior reconhecimento de sua importância para o desenvolvimento do país.

Ao assinar o Pacto, por sua vez, as empresas devem "intervir com ações e procedimentos junto à rede de serviços de transportes e aos prestadores de serviços ligados ao setor, levando o caminhoneiro a atuar como agente de proteção".

Para isso, é sugerido que busquem soluções por meio da promoção de discussão e tratamento amplo das questões que afetam a qualidade de vida no trabalho do caminheiro. Também é sugerido que o tema seja inserido nos programas de capacitação e atendimento dos caminhoneiros, assim como as boas práticas sejam disseminadas para servir de referência a outras empresas.

Detalhando e comentando o conjunto de sugestões para ações de qualidade junto aos caminhoneiros, o Programa incentiva que as empresas:

  • Incluam nos programas de integração e desenvolvimento de funcionários temas como Responsabilidade Social, Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente e o Compromisso com o Enfrentamento da exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias brasileiras, sempre acreditando que podem ser agentes de proteção e transformação social.
  • Preparem o RH para a importância de inclusão dos temas acima, pois são compromissos assumidos pela empresa e devem ser incorporados por todos os funcionários desde a sua contratação. É uma onda de mobilização e geração de entendimentos e significados para toda a empresa. Portanto, o RH deve ser o primeiro a participar das discussões para poder multiplicar internamente o conhecimento e a postura sobre estes temas.
  • Ofereçam programas de sensibilização e treinamento para os caminhoneiros de maneira respeitosa e sempre buscando seu engajamento com sujeito do processo, não apenas como possível violador dos direitos da criança e do adolescente. Seria muito ruim esta postura e o risco da ação não dar certo é muito grande.
  • Criem módulo educativo mais sistematizado e aprofundado para os caminhoneiros (próprios ou terceirizados) sobre o tema dos direitos da criança e do adolescente, envolvendo também orientações para combater riscos como uso de drogas, álcool e DST/Aids, entre outros temas que demonstrem consideração pela pessoa e não apenas da "mão-de-obra". Se queremos que o caminhoneiro respeite as pessoas, incluindo aí aquelas em fase de desenvolvimento ou que se encontram em situação de vulnerabilidade e exclusão, é importante demonstrar respeito por eles em vivências concretas e cotidianas.
  • Criem programas de melhoria nas condições de saúde e segurança dos caminhoneiros e nos serviços de transporte, lembrando que são investimentos importantes também para a atividade empresarial como um todo. Qualquer investimento na melhoria das condições de vida dos caminhoneiros tem impacto direto em sua performance e no fortalecimento dos vínculos com a empresa.
  • Analisem o fluxo de trabalho dos caminhoneiros e, junto com a área de segurança e trabalho, proponham melhorias efetivas como: equipamentos seguros, rotas adequadas, espaços de convivência, informações atualizadas e freqüentes sobre as estradas, etc. São atividades de rotina ou deveriam ser para garantir, por exemplo, paradas em lugares seguros, volume adequado de horas de trabalho , orientações básicas para sua viagem, segurança pessoal, do combustível, da carga, do caminhão, enfim, outro conjunto de providências que fortalece o vínculo do caminhoneiro com a empresa contratante do serviço ou empregadora.
  • Por fim, o Programa sugere que as empresas envolvam a família do caminhoneiro. Uma idéia é que as empresas convidem as famílias para participar dos eventos, como comemoração do dia dos pais, das mães, da criança, do dia do caminhoneiro, entre outros eventos festivos. Podem ser eventos também voltados a temas como orçamento doméstico, saúde, valores humanos, relações familiares. A proposta deve visar aumentar o orgulho do caminhoneiro por trabalhar para uma empresa que se importa com sua vida e sua família.

Há, nesta linha, a sugestão de enviar para a casa do caminhoneiro as revistas e os informativos sobre a empresa para aproximar a família do trabalho que este realiza, ampliando o entendimento e o orgulho pela importância de sua atividade. Um dia de visita dos familiares à empresa pode ser algo simples, mas com grande impacto nesta satisfação porque não há quem não tenha gosto por mostrar o que faz.

Há empresas que encontram formas de manter a família do caminheiro informada e em contato com ele como forma de enfrentar a solidão e de diminuir o estresse gerado com os longos períodos fora de casa.

A aproximação com a família do caminhoneiro é algo delicado e deve ser realizada com simplicidade e muita atenção para fortalecer os vínculos familiares e destes com a empresa. Cuidado para não expor o caminhoneiro com abordagens inadequadas de temas como este da exploração sexual de crianças e adolescentes, uso de drogas, prostituição ou infidelidade, entre outros. A idéia é fortalecer vínculos, melhorar a auto-estima das pessoas, promover o orgulho pela profissão porque isso pode ter impactos positivos também nas atitudes cotidianas dos caminhoneiros em relação aos riscos a que está sujeito e práticas inadequadas ou até criminosas.

Nem se imagina o estrago que causaria uma palestra apontando o percentual de caminhoneiros que dizem ter mantido relações sexuais durante as viagens, inclusive com crianças e adolescentes. O Programa, por meio de sua causa específica, pode ser uma grande oportunidade para a empresa melhorar a qualidade de sua relação com este stakeholder tão importante.

Mesmo quem não tem funcionários com esta função específica de caminhoneiro em seu quadro poderia encontrar formas criativas e eficazes de se comunicar com os mesmos em torno deste compromisso de melhorar suas condições de vida e reconhecê-lo como agente de transformação social. Nesta possibilidade estão as concessionárias administradoras de rodovias, postos e distribuidoras de combustíveis, bancos, restaurantes, hotéis, entre outras empresas que, nas estradas ou de alguma forma, têm contato com os caminhoneiros do nosso país.

Escreva para o Programa pelo e-mail contando suas iniciativas! Bom trabalho!

 

  Leia também  

Começam os trabalhos dos núcleos do Comitê de Gestão Participativa
Ciclo de Workshops Regionais 2010 inicia em São Paulo
"O consumo pode ser uma tentativa de preenchimento de um grande vazio"
Rádio Margarida lança portal para direitos da infância
De olho no assunto - resumo das principais notícias

 

Voltar