Programa Na Mão Certa

Simpósio apresenta depoimentos de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de exploração e abuso sexual

Depoimentos de crianças e adolescentes que sofreram abuso e exploração sexual ou testemunharam esse tipo de situação serão o foco do 1º Simpósio Internacional Culturas e Práticas Não-Revitimizantes de Tomada de Depoimento Especial de Crianças e Adolescentes em Processos Judiciais. O evento acontecerá em Brasília (DF) entre os dias 26 e 28 de agosto e tem como objetivo promover um profundo debate sobre os métodos de tomada de depoimentos de crianças e adolescentes, propondo alternativas ao modelo atual.

Atualmente, os métodos utilizados para colher depoimentos de crianças e adolescentes que sofreram abuso e exploração sexual levam à revitimização, fazendo com que as vítimas rememorem seu sofrimento no processo de produção de provas judiciais. Como forma de impulsionar mudanças, o simpósio abrirá espaço para o relato de experiências nacionais e internacionais que reduzem o trauma. Para os três dias de atividades são esperadas cerca de 200 pessoas, entre especialistas, profissionais, gestores e formuladores de políticas públicas da área da infância e da juventude, tanto do Brasil quanto da Argentina, Canadá, Cuba, Espanha, Estados Unidos, Inglaterra e Lituânia.

O Simpósio é uma iniciativa da Childhood Brasil e da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, com parceria da Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e da Juventude (ABMP) e do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda).

 “O objetivo do Simpósio é ampliar o debate sobre a revitimização de crianças e adolescentes nos procedimentos judiciais, mas, principalmente, apontar mudanças necessárias nas políticas públicas nesta área”, ressalta Carmen Oliveira, subsecretária de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH/PR).

A revitimização ocorre principalmente na tomada do depoimento. Nos moldes tradicionais, a vítima é ouvida por mais de uma vez no processo, às vezes tendo que ficar frente a frente com o agressor, provocando um processo de revivência do trauma, que dificulta sua recuperação psicológica. No Simpósio serão realizadas sessões plenárias, oficinas e debates para discutir novos métodos de coleta de depoimento.

Depoimento Sem Medo

A realização deste simpósio integra o projeto da Childhood Brasil que teve início com a realização do estudo “Depoimento Sem Medo (?), uma Cartografia de Experiências Alternativas de Tomada de Depoimento Especial de Crianças e Adolescentes”, publicado em 2008. Realizado pelo pesquisador Professor Dr. Benedito Rodrigues dos Santos, coordenador do Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente da SEDH, e por Itamar Batista Gonçalves, coordenador de Programa da Childhood Brasil, este projeto ainda terá um livro de metodologias, um vídeo sobre culturas e práticas não-revitimizantes e um curso de capacitação para operadores do sistema de garantias do direito da criança e do adolescente no Brasil.

“Sujeitar uma criança ou adolescente vítima de violência sexual a contar várias vezes o que lhe aconteceu pode ser tão traumatizante quanto o ato em si”, afirma a coordenadora do Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças, Leila Paiva.  Em sua avaliação é necessário capacitar os profissionais que vão colher o depoimento e tornar esse momento mais humanizado e menos traumático.

Outro aspecto fundamental, destaca Itamar Gonçalves, “é que a dificuldade de obtenção de provas consistentes é parcialmente responsável pelos baixos índices de responsabilização de pessoas que cometem violência sexual contra crianças e adolescentes”.

Em algumas capitais já é desenvolvida a inquirição especial, cujo objetivo é evitar a traumatização das crianças e adolescentes. Em Porto Alegre há uma iniciativa pioneira da 2ª Vara da Infância e da Juventude que já está sendo difundida em vários Tribunais de Justiça, como de São Paulo, Goiânia, Rondônia e Acre. “A criança não fica na sala da audiência, mas em uma sala com brinquedos e aparelhos de áudio e vídeo, utilizados para transmitir para outro local tudo o que está acontecendo. A inquirição é conduzida por um psicólogo ou assistente social treinado”, explica Leila.

A intenção é de que as reflexões realizadas durante o 1º Simpósio Internacional ofereçam subsídios para a revisão do Projeto de Lei 4.126 de 2004 que tramita no Senado Federal (PLC 35/2007), e trata das disposições especiais sobre depoimentos de testemunhas e produção antecipada de prova nos crimes.

Serviço

1º Simpósio Internacional Culturas e Práticas Não-Revitimizantes de Tomada de Depoimento Especial de Crianças e Adolescentes em Processos Judiciais
Data: 26 a 28 de agosto de 2009
Local: Brasília Alvorada Hotel - SHTN Trecho 1, Conj 1B, Bloco C – Brasília – DF
Horário: 18h30 abertura

Mais informações: www.wcf.org.br

 

  Leia também  

Filme baseado em relatos mostra o drama do incesto
Apoio institucional: Golden Cargo incentiva módulo de comunicação do Programa
Empresas signatárias aderem às oficinas In-Company
Ação Empresarial: Rodomodal realiza ações de formação e mobilização
Ação Empresarial: D’Granel adesiva ônibus de transporte de funcionários
De olho no assunto - resumo das principais notícias

 

Voltar