Programa Na Mão Certa

Pedro Trucão é o novo aliado do Programa Na Mão Certa

Durante o 2º Encontro Empresarial, o Programa Na Mão Certa firmou mais uma importante parceria. A partir de setembro, Pedro Trucão, jornalista conhecido e respeitado entre os caminhoneiros, passará a apoiar o Programa e divulgar, através dos meios onde atua, o enfrentamento da exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias brasileiras.

Com mais de 20 anos de jornalismo dirigido aos “estradeiros”, atualmente Trucão produz e apresenta os programas Pé na Estrada, nas rádios Aparecida (FM e OM/OC/OT) e Terra FM 98,1 SP, e o programa Globo Estrada, no Sistema Globo de Rádio. Na televisão, atuou nos programas Roda Brasil, da Rede Record, e Siga Bem Caminhoneiro, do SBT, e hoje apresenta o programa dominical Pé Na Estrada, da Rede TV e da TV Aparecida. Para Trucão, o apoio ao Programa Na Mão Certa é uma forma de oficializar a luta que tem apoiado desde o início da carreira.

Programa Na Mão Certa: O que o motivou a apoiar o Programa?

Pedro Trucão: Como jornalista estradeiro, eu sinto como é o dia-a-dia na estrada. Vejo que muitas empresas embarcadoras e transportadoras, e a própria comunidade, acabam vendo a exploração sexual da criança e do adolescente nas estradas de forma distorcida, achando que o estradeiro é o grande culpado. Quando conheci o Programa Na Mão Certa, achei a proposta muito interessante e parecida com a minha opinião. Nós temos a mesma visão de que o estradeiro não é o vilão; ele é tido como, mas eu sei que não é. Se você for a um lugar onde há a exploração, você vê que ela é muito mais forte por parte de comerciantes, de políticos e de pessoas da região que pelo próprio estradeiro. Nas décadas de 80 e 90 ele pode até ter sido esse vilão, e acabou ficando com esse estigma.

PNMC: De que forma você acha que a abordagem aos caminhoneiros é mais eficiente?

PT: Para conseguir alcançá-los, é preciso valorizar o trabalho que eles podem fazer como agentes de proteção e combate. Precisamos deixar claro que o combate a esse mal depende dele também. A exploração existe, assim como existe a forma de combater e buscar esses caminhoneiros. Quando eles se sentirem valorizados e parte do processo, acredito que teremos bastante sucesso.

PNMC: A partir da sua experiência, agora aliada ao Programa Na Mão Certa, como você pretende chamar o caminhoneiro para a causa?

PT: Em meus programas de rádio e televisão, falo diretamente com o estradeiro e com a família dele. O estradeiro vê tudo o que acontece ao longo das rodovias, tanto as coisas bonitas, as paisagens, quanto as coisas ruins, como a exploração sexual. Se na rodovia acontece alguma coisa que pra ele não é bom, nós incentivamos que ele denuncie. Dessa forma, ele, a esposa e a família passam a ser agentes importantes nessa luta. Eu acredito que juntos, eu e o Programa Na Mão Certa, podemos transformar essa causa em um algo maior. Através dos canais de comunicação que eu uso, vou transmitir jingles e spots do programa, e vamos buscar o estradeiro, o motorista, o empresário, o embarcador pra também fazerem parte dessa luta. Eles têm que saber que nós estamos ali para informar, combater e fiscalizar, e pra apoiar todas as ações de combate a esse problema.

 

  Leia também  

Copagaz e Pamcary apóiam o Encontro e dão exemplo de integração entre programas de RSE
Atenção especial ao motorista
Os desafios da Educação Continuada

 

Voltar