Programa Na Mão Certa

Empresas apresentam boas práticas no eixo Articulação

Um dos pontos que mais chamou a atenção durante o Painel de Articulação foi a apresentação de casos de sucesso de empresas que conseguiram implantar e disseminar o Programa Na Mão Certa entre suas cadeias de valor. Apresentaram cases e compartilharam experiências as empresas C&A, Suzano, Aracruz, Veracel, e a Confenar.

Signatária do Pacto Empresarial desde julho de 2007, a C&A emprega, direta e indiretamente, cerca de 300 caminhoneiros. Desde que assumiu esse compromisso, buscou o envolvimento e a divulgação da causa entre todos os funcionários ligados à logística nacional da empresa. O grande passo dado pela C&A, entretanto, foi na inclusão de uma cláusula de compromisso com o Programa Na Mão Certa entre todos os transportadores contratados. Entre os tópicos instituídos na nova cláusula contratual estão a assinatura do Pacto, a divulgação do programa entre todos os motoristas que atendem a C&A, e o apoio a projetos de reintegração de crianças e adolescentes vítimas de exploração sexual. Atualmente, das 24 empresas que atendem a C&A, 21 são signatárias do Pacto Empresarial, responsáveis por 97% de toda a carga da empresa transportada.

Já as empresas Aracruz Celulose, Suzano Papel e Celulose e Veracel Celulose tiveram uma iniciativa inédita e uniram esforços para envolver toda a cadeia que atende o setor nos estados da Bahia e do Espírito Santo. Em abril, elas assumiram publicamente a união de esforços para enfrentar a exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias brasileiras. A união das companhias fortaleceu as iniciativas individuais e ampliou as ações com os parceiros que atuam no transporte rodoviário. “Começamos a pensar o trabalho conjunto por estarmos próximos geograficamente, utilizarmos vias comum e possuirmos realidades locais parecidas. Começamos, assim, a pensar ações que envolvessem nossos fornecedores e acabamos envolvendo também a sociedade civil e entidades do terceiro setor”, afirmou o responsável pela Comunicação Corporativa e Responsabilidade Social da Suzano, Vinícius Precioso. As empresas também se comprometeram a disseminar boas práticas e a criar mecanismos de relações comerciais que estabeleçam compromissos dos fornecedores com os princípios do Pacto Empresarial.

Já a Confenar (Confederação Nacional das Revendas AmBev e das Empresas de Logística da Distribuição) é hoje uma das mais importantes aliadas do Programa Na Mão Certa na mobilização de novas empresas contra a exploração sexual nas estradas brasileiras. Em fevereiro, a entidade iniciou uma campanha de mobilização entre todas suas associadas. Desde então, das 180 revendas que fazem parte da Confenar, mais de 70 já aderiram ao Programa. “Nossas revendas visitam cerca de um milhão de pontos de venda em todo o país e muitos deles em áreas críticas. Por isso, a Confenar elegeu o Programa Na Mão Certa como a ação de responsabilidade social do biênio 2007/2008 e está mobilizando toda a rede de revendas a também aderirem”, declarou a diretora de comunicação e marketing da Confenar, Adriana Neves. “Embora ainda não sejam todas as revendas que apóiam o Programa, temos certeza de que todos os pontos de exploração sexual de crianças e adolescentes são pontos de revenda nossos. Isso nos causa uma responsabilidade muito grande e nos estimula a agir cada vez mais nessa luta”, completou.

 

  Leia também  

2º Encontro Empresarial Na Mão Certa
Metas ousadas estão entre os próximos desafios
Ethos e OIT reafirmam apoio ao Programa
Ethos apresenta Programa Tear como instrumento de articulação na cadeia de valor

 

Voltar