Programa Na Mão Certa

De olho no assunto

Aumentam pontos vulneráveis à exploração sexual em rodovias. Apenas 7% dos municípios se comprometem a combater a violência sexual. SP lidera ranking de municípios propícios à exploração sexual de crianças e adolescentes. Exploração é discutida em colóquio no Recife. Encontro busca fortalecer sistema nacional sobre a garantia dos direitos das crianças. Caminhoneiros planejam paralisação nacional em junho

Aumentam pontos vulneráveis à exploração sexual em rodovias
Relatório da Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Goiás revela que o número de pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes às margens de rodovias federais do estado aumentou 27,3% em menos de quatro anos. Os locais, que somavam 73 em 2004, chegam a 93 neste ano. Desses, 49 se encontravam apenas na BR-153, a maior e mais movimentada rodovia goiana. Estudo da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH) mostra que a unidade da federação ocupa o 4º lugar do ranking de violência sexual contra crianças e adolescentes. A vulnerabilidade a esse crime está presente em cerca de 23% dos municípios dos estado. Os dados da SEDH são baseados no número de denúncias levadas ao Disque-100.

O Popular


Apenas 7% dos municípios se comprometem a combater a violência sexual
Dos 64 prefeitos convidados para assinatura do Pacto Estadual de Enfrentamento Contra a Violência Sexual de Crianças e Adolescentes em Salvador no último dia 16, apenas sete compareceram e outros 23 delegaram representantes. Isso significa que, oficialmente, dos 417 municípios baianos, apenas 7,1%  se comprometeram a combater a exploração sexual de crianças e adolescentes. A falta de comprometimento surge paralelamente ao crescimento de mais de 400% no número de denúncias registradas através do Disque 100 nos últimos três anos.

A Tarde


SP lidera ranking de municípios propícios à exploração sexual de crianças e adolescentes
O estado de São Paulo tem o maior número de municípios propícios à exploração sexual de crianças e de adolescentes. São 93 municípios paulistas com o perfil, de um total de 932 em todo o país, segundo mapeamento feito pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República apresentados no último dia 19, durante lançamento do 3º Congresso Mundial de Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, no Rio. Em segundo lugar, segundo o levantamento, está Minas Gerais, com 92 municípios considerados "vulneráveis". O Rio tem 33, e o Pará, 36 municípios com o perfil. Os números, de acordo com a secretaria, são absolutos e, por isso, não significam, necessariamente, um ranking proporcional. Já o ranking de registros de casos de exploração sexual de crianças e adolescentes é maior no Estado de Mato Grosso do Sul, mostra o levantamento da secretaria. Entre 2003 e abril deste ano, a média no Estado foi de 13 casos por 100 mil habitantes, contra 10 no Acre. Em São Paulo , essa proporção é de 3 casos por 100 mil habitantes e, no Rio, de 6 por 100 mil habitantes.

Folha On-line


Exploração é discutida em colóquio no Recife
Cerca de um milhão de crianças são exploradas sexualmente em todo o mundo. A estimativa é do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), e foi tema de um debate contra a exploração sexual que reuniu 200 especialistas do Brasil em Recife (PE). O colóquio, que aconteceu entre os dias 27 e 29 de maio, foi preparatório para o 3º Congresso Mundial contra a Exploração Sexual de Criança e Adolescente, e contou com a presença do ministro Paulo Vanuchi e de representantes regionais e nacionais de entidades de proteção à infância e à adolescência.

Pernambuco.com


Encontro busca fortalecer sistema nacional sobre a garantia dos direitos das crianças
Depois de 11 anos da criação do Sistema de Informação para Infância e Adolescência (SIPIA), as bases de dados são tão precárias que não há o que se fazer com as informações reunidas. A avaliação é da subsecretária de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, Carmen de Oliveira. Esse problema motivou a realização de um encontro nacional de operadores do SIPIA, que aconteceu nos dias 27 e 28, em Brasília. O objetivo do evento foi discutir estratégias para fortalecer e revitalizar o sistema, além de incentivar a produção de informações e a disponibilização dos dados. O SIPIA é um sistema nacional de registro e tratamento de informações sobre a garantia e defesa dos direitos fundamentais previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A idéia é que essas informações formem uma base real que ajude na formulação de políticas públicas voltadas à infância e à adolescência. 

Agência Brasil


Caminhoneiros planejam paralisação nacional em junho
Os caminhoneiros autônomos brasileiros planejam uma paralisação nacional em junho em protesto, entre outras coisas, contra a falta do repasse do aumento do óleo diesel para o valor do frete e a restrição do tráfego na cidade de São Paulo. Após uma assembléia realizada no último dia 27, liderada pela Associação Brasileira dos Caminhoneiros (ABCAM) e com apoio de outras entidades, foi decidido que os caminhoneiros autônomos vão parar a partir do dia 25 de junho, por tempo indeterminado. “Esse é um trabalho de um grupo de lideranças que existe no Brasil, que juntou forças para que realmente se atenda à necessidade do caminhoneiro. Ele é o ator dessa situação, tem que mostrar claramente a situação que está passando”, disse José da Fonseca Lopes, presidente da ABCAM. De acordo com ele, a idéia é que os caminhoneiros fiquem em casa ou parem em postos de abastecimento, sem bloqueios de estradas ou grandes manifestações. Além da questão do diesel e da restrição de movimentação em São Paulo , prevista para entrar em vigor em 30 de junho, os caminhoneiros pedem o retorno da fiscalização pela Agência Nacional de Transportes Terrestres do vale-pedágio e do excesso de peso e um plano de segurança para as estradas. Eles também protestam contra a não aprovação no Congresso de projeto de lei que prevê o pagamento do vale-pedágio em dinheiro.

O Globo

 

  Leia também  

Impunidade dificulta combate ao abuso e à exploração sexual, aponta Unicef
Ação Empresarial: Fórum de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes
Ação Empresarial: Dudalina
Ação Empresarial: Temar 3
Banco de dados unificado entre ONGs enfrenta a exploração sexual de crianças e adolescentes no Pará

 

Voltar