Programa Na Mão Certa

Seminário debate enfrentamento na Paraíba

A Polícia Rodoviária Federal, com apoio da Prefeitura de João Pessoa, realizou nos dias 22 e 23 de outubro na capital paraibana o primeiro seminário sobre trabalho escravo, tráfico de seres humanos e exploração sexual infanto-juvenil. O trabalho tem prosseguimento com uma reunião no dia 8 de novembro para articular a ação de diversas organizações. Os pontos de risco já identificados na Paraíba serão alvo de ações preventivas e repressivas.

No seminário os participantes discutiram formas eficazes para coibir a prática da exploração sexual, em ações conjuntas envolvendo conselhos tutelares, PRF, Polícia Militar, Ministério Público e outras entidades. O inspetor da Divisão de Combate ao Crime da Polícia Rodoviária Federal, Jetson Silva, referiu-se ao levantamento feito pelo órgão em todo o país, que identificou 1.819 pontos de exploração sexual infanto-juvenil. Nas rodovias federais BR-230 e BR-101, que ligam João Pessoa ao interior e a outros estados, foram identificados 20 pontos – 14 na primeira e mais seis na outra.

O Serviço Sentinela do Centro de Referência Especializada da Assistência Social (CREA) também identificou pontos de exploração sexual no espaço urbano, como as proximidades do Píer, na praia de Tambaú; rua da barreira, na praia do Cabo Branco; na Lagoa; no Ponto de Cem Réis; na rua da Areia e no Terminal Rodoviário, no Centro.

A exploração sexual foi responsável por 19% das denúncias recebidas pelo Serviço Sentinela do CREA entre os meses de janeiro e setembro deste ano na capital paraibana. Por dia, o serviço recebe uma média de cinco ligações para denunciar abuso, exploração sexual e violência doméstica. "Não basta só constatar o problema, é preciso realizar ações concretas para proteger essas crianças e adolescentes", disse a coodenadora do Sentinela, Maria Salete Freitas Ribeiro.

Família

Ela ressaltou que a Prefeitura de João Pessoa tem desenvolvido diversas ações de enfrentamento ao abuso e, principalmente, à exploração sexual. Entre essas ações estão a análise da situação, o atendimento e defesa das crianças e adolescentes vitimadas e a mobilização com diversas entidades e órgãos. "Uma grande novidade é que agora o foco do nosso trabalho é a família", contou. "As famílias perceberam a importância de participar dos grupos terapêuticos".

Ela ressalta que, além de ser punido juridicamente, o agressor também precisa de atendimento psicológico, pois tem uma doença que precisa ser tratada, para que esse indivíduo não volte mais a cometer crimes. Em paralelo com o trabalho psicossocial também é oferecida assessoria jurídica. Um advogado presta serviço diariamente para atender a população e acompanhar os casos em andamento. Maria Salete acredita que isto pode contribuir para reduzir a impunidade.

Outra ação importante desenvolvida em João Pessoa é o "Plano Municipal de Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes", realizado conjuntamente entre a Prefeitura e mais 63 entidades da sociedade que integram a "Rede Interinstitucional de Enfrentamento à Violência e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes".

Com informações de Paraiba.com.br e Prefeitura Municipal de João Pessoa

  Leia também  

Lançados os indicadores de acompanhamento do Programa Na Mão Certa
Senac divulga Na Mão Certa no litoral paranaense
Semana Na Mão Certa da Camargo Corrêa Cimentos
De olho no assunto – resumo das principais notícias

 

Voltar