Programa Na Mão Certa

PRF vai advertir estabelecimentos em pontos vulneráveis

A pesquisa que identificou os pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias, realizada pela Polícia Rodoviária Federal com apoio da OIT (Organização Internacional do Trabalho), terá importante desdobramento a partir deste mês. Nos pontos em que for possível, a PRF vai notificar os responsáveis pelos estabelecimentos mapeados. O objetivo é solicitar que colaborem no combate ao crime e advertir sobre as penalidades legais aos exploradores e cúmplices.

Dos 1.819 pontos vulneráveis nas estradas brasileiras, em torno de 1.400 serão notificados, estima o coordenador de controle operacional do DPRF (Departamento de Polícia Rodoviária Federal), inspetor Alvarez Simões. São postos de combustíveis, restaurantes, boates, hotéis, motéis e outros estabelecimentos. Até outubro todos devem ser notificados. Ficam de fora os que não têm responsáveis identificados, como praças e entroncamentos rodoviários.

"Vamos informar aos proprietários que aqueles pontos foram considerados vulneráveis e dar o endereço da pesquisa no site da OIT", explica Simões. "Também vamos nos referir ao artigo 244-A do Estatuto da Criança e do Adolescente, que estabelece pena de quatro a dez anos para quem comete exploração sexual. Na mesma pena incorre o proprietário, gerente ou responsável pelo estabelecimento."

A importância da denúncia

Outra missão dos patrulheiros rodoviários é solicitar a esses comerciantes que, ao terem conhecimento do crime, façam a denúncia pelo Disque 100 ou pelo telefone do posto mais próximo da PRF. "Se não houver denúncia, dificilmente a gente consegue prender o explorador", reconhece. "Quando há denúncia, aí sim, fica muito mais fácil: o proprietário ou responsável está dando uma indicação inequívoca de que, se acontecer alguma coisa, não será por sua responsabilidade".

O inspetor determinou a todas as 26 unidades regionais da PRF que, após concluírem o trabalho de notificação, informem os resultados ao Ministério Público Estadual e à Promotoria da Criança e da Adolescência. Essa parceria é importante, pois o Ministério Público poderá produzir provas para ação da Justiça contra os criminosos. "Embora não sejamos polícia judiciária, nosso trabalho de inteligência pode observar esses pontos, intervir e informar o MPE".

Ele lembra que historicamente a PRF, mais que uma polícia de repressão, tem um papel de proteção dos cidadãos. "Por isso abraçamos a agenda de defesa dos direitos humanos, que inclui o combate ao trabalho escravo e à exploração sexual de crianças e adolescentes". Simões acrescenta que os Conselhos Tutelares têm papel fundamental nesse processo.

  Leia também  

Empresas da região Sul participam do segundo encontro do Ciclo de Workshops Regionais
Carta do Norte pede empenho contra impunidade
MT aperta o cerco contra exploração sexual de crianças e adolescentes
Artigo do mês - Como transformar o Compromisso 1 em ações
Ação Empresarial - As transportadoras precisam fazer a sua parte
Ação Social - Inclusão social na rodoviária de Brasília

 

Voltar